Pós-Operatório

SEPTOPLASTIA & TURBINECTOMIA

O objetivo desta cirurgia é restabelecer uma respiração nasal satisfatória, ao eliminar obstáculos à passagem do ar pelo nariz, como o desvio do septo ou a hipertrofia (aumento de tamanho) das conchas (turbinas ou cartuchos) nasais. Tem como principal risco: os sangramentos. Principal incômodo: Obstrução nasal (devido ao edema e às crostas que se formam, nos primeiros dias).

PRIMEIRA SEMANA

O repouso domiciliar é altamente recomendado, na primeira semana de pós-operatório. É importante evitar: qualquer atividade física desnecessária, o calor (exposição ao sol, alimentos quentes demais) e medicações com atividade anti-coagulante como o AAS e alguns antiinflamatórios. Não é necessário ficar “de cama”. As atividades do dia-a-dia, a alimentação e a rotina domiciliar não precisam ser alteradas.
A primeira consulta de retorno será marcada para esta semana, na qual será feita uma primeira avaliação do resultado da cirurgia e da possibilidade de retorno ao trabalho.

O splint nasal e os tamponamentos (cada vez menos usados) serão retirados, neste primeiro retorno.

Sangramentos leves como raias de sangue ou pequenas hemorragias que param com o pressionamento do nariz são comuns. Porém, sangramentos ativos (sangue vivo) e contínuos necessitam de uma avaliação médica.

Cuidados com o nariz

HIGIENE NASAL

A limpeza nasal com soro fisiológico é sempre interessante. A temperatura ideal é a ambiente, em locais de clima quente como o norte-nordeste brasileiro. Em locais de clima frio, principalmente durante o inverno, o ideal é fazer um leve aquecimento em banho-maria. O soro vai auxiliar o mecanismo de limpeza do nariz, removendo as crostas que se formam no pós-operatório e melhorando a umidade da mucosa nasal. Alguns médicos têm optado pelo uso do soro hipertônico a 3%, por diminuir a formação das crostas.

EVITE ESPIRROS!

Os espirros criam uma pressão positiva alta nas fossas nasais. Isto pode levar a remoção abrupta de uma crosta, provocando um sangramento nasal. Se for espirrar, solte o ar pela a boca para não alterar a pressão nasal.

SEGUNDA SEMANA

Geralmente, o retorno ao trabalho ocorre após a primeira semana de cirurgia. Devem-se evitar atividades físicas de moderado a intenso como: levantar peso (carregar caixas), subir escadas ou atividades que exijam intensa movimentação. Porém, trabalhos com pouca atividade física são permitidos. Neste período, as crostas são menos intensas e o risco de sangramento é menor, porém ainda existe.

A segunda consulta de retorno é agendada para a remoção das crostas remanescentes e uma avaliação mais precisa do resultado da cirurgia.

TERCEIRA E QUARTA SEMANAS

O processo de cicatrização se completa com 30 dias de cirurgia (apesar de haver remodelação da cicatriz até seis meses de pós-operatório). É prudente evitar exercícios físicos vigorosos como: musculação com objetivo de ganho muscular ou esportes em nível de competição (atletas profissionais), até que se complete o primeiro mês. O resultado final da cirurgia é observado neste período. E a vida volta ao normal, agora com uma respiração muito mais confortável e eficiente, que melhorará a qualidade de vida e, principalmente, o sono do paciente.

SEIS MESES

Uma reavaliação com seis meses de cirurgia, com endoscopia nasal, é interessante, pois as conchas nasais têm uma capacidade de hipertrofiar novamente. Isto pode ser observado, neste momento. O processo de remodelação estará completo e poderemos avaliar endoscopicamente, o resultado final deste processo.

FESS - CIRURGIA DA SINUSITE

O objetivo desta cirurgia é a remoção de causas obstrutivas à perfeita drenagem dos seios paranasais, remoção de pólipos ou tumorações. Além do risco de sangramentos, existe também o risco de lesão de estruturas adjacentes ao nariz, embora seja muito raro.

Os cuidados da cirurgia endoscópica dos seios paranasais são semelhantes aos cuidados para a septoplastia & turbinectomia. Quando há necessidade de uma incisão na gengiva, para um acesso cirúrgico conhecido como Caldwell-Luc; é recomendado gelo nos primeiros dias de pós-operatório para diminuir o inchaço no local do acesso. O tempo de recuperação depende da extensão da cirurgia. Na maioria das vezes é mais rápido que a cirurgia do septo do nariz.

CIRURGIA DAS AMÍDALAS & ADENÓIDE

Os objetivos desta cirurgia são: restabelecer uma respiração nasal satisfatória, ao eliminar obstáculos à passagem do ar pelo nariz, como a hipertrofia (aumento de tamanho) da adenóide e/ou das tonsilas palatinas (amídalas); curar as infecções freqüentes das tonsilas e a otite média crônica por hipertrofia de adenóide. Tem como principal risco: os sangramentos. Principal incômodo: dor ao se alimentar (menos intensa, nas crianças).

PRIMEIRA SEMANA

O repouso domiciliar é altamente recomendado, na primeira semana de pós-operatório. É importante evitar: qualquer atividade física desnecessária, o calor (exposição ao sol, alimentos quentes demais) e medicações com atividade anti-coagulante como o AAS e alguns antiinflamatórios. Não é necessário ficar “de cama”. As atividades do dia-a-dia e a rotina domiciliar não precisam ser alteradas. Há uma dieta especial para a primeira semana:

1º e 2º dias: Líquidos (leite, sucos, iogurte, sorvete) frios, gelados ou em temperatura ambiente. Evitar frutas ácidas e água de coco. Será prescrita medicação analgésica para os primeiros dias. É comum: febre baixa (até 38ºC) e a formação de placas amareladas, no local da cirurgia (não é pus, é fibrina).

3º e 4º dias: Pastosos (mingau, sopas, purês, cremes) frios, gelados ou em temperatura ambiente.

5º e 6º dias: Semi-sólidos (arroz bem cozido, carne bem moída, frango desfiado) frios, gelados ou em temperatura ambiente.

Pequenos sangramentos, como raias de sangue na saliva, são comuns; porém sangramentos ativos (sangue vivo) e contínuos, assim como vômitos com sangue vivo em crianças necessitam de uma avaliação médica.

A primeira consulta de retorno será marcada para esta semana, na qual será feita uma primeira avaliação do resultado da cirurgia e da possibilidade de retorno ao trabalho e/ou escola.

Cuidados com o nariz

HIGIENE NASAL

A limpeza nasal com soro fisiológico é sempre interessante. A temperatura ideal é a ambiente, em locais de clima quente como o norte-nordeste brasileiro. Em locais de clima frio, principalmente durante o inverno, o ideal é fazer um leve aquecimento em banho-maria. O soro vai auxiliar o mecanismo de limpeza da nasofaringe (onde fica a adenóide), removendo as crostas que se formam no pós-operatório e melhorando a umidade da mucosa nasal.

SEGUNDA SEMANA

Geralmente, o retorno ao trabalho ocorre após a primeira semana de cirurgia. Devem-se evitar atividades físicas de moderado a intenso como: levantar peso (carregar caixas), subir escadas ou atividades que exijam intensa movimentação. Porém trabalhos com pouca atividade física são permitidos.
A segunda consulta de retorno é agendada para a avaliação do resultado da cirurgia.

TERCEIRA E QUARTA SEMANAS

O processo de cicatrização se completa com 30 dias de cirurgia (apesar de haver remodelação da cicatriz até seis meses de pós-operatório). É prudente evitar exercícios físicos vigorosos como: musculação com objetivo de ganho muscular ou esportes em nível de competição (atletas profissionais), até que se complete o primeiro mês.

SEIS MESES

Uma reavaliação com seis meses de cirurgia, com endoscopia nasal, é interessante, pois a adenóide tem uma capacidade de hipertrofiar novamente. Isto pode ser observado, neste momento.

Dr. Sandro Barros Coelho - CRM 7284